16.9.08

Pontes, supremas pontes



Há sempre aquelas pontes invernosas que separam os nossos passos, os nossos ais.
E existem sempre aqueles laços vermelhos, amarelados de espanto, que querem romper a distância que se cria entre nós, no plaino ensolarado dos convés da vida...
Quero-vos meus, quero-me vosso...