15.9.08

À minha Rádio


Hoje quero louvar a Rádio (porque para mim tem rosto de mulher) onde, ainda piratinha, na minha Leiria natal, fui tão feliz, tripulando durante quase seis anos, em horário nocturno, uma “Nau da Bonança”.
De facto, apesar de agora ser vizinho do Mondego, as minhas águas desaguaram ou nasceram em LEIRIA.
Ò Leiria, Lis-óptima, dominando as ameias das gentes, o histérico deambular das raivas surdas dos entroncamentos, das cores semafóricas em ruas brancas de breu, eis que nos vestes de bairro pobre, de gente rica, sem cheta e só com aquele brilhozinho nas pupilas da escassez!
Um garoto solta um grito absurdo entre os ardinas das desgraças dos outros (que a dele não vende!) e uma varina nazarena sopra o vento do pregão e vende os cachuchos amarelentos de cada dia, contando os tostões que não chega a ver.
Há bonecos de corda pendurados no olhar dos leirienses, ávidos de um toque que seja de um seu semelhante, há lantejoulas estampadas nos anseios dos que querem mais do que sentem, há barcas de madrugada no sorriso primeiro da prostituta da esquina que não se rende às penas mas que se põe a render, há tanto de tanto e tanto de nada...
Em Leiria, pátria desta Rádio, navegam soluços estridentes de uma outra forma de viver os segundos de saudade que se sentem dos serões de província de outrora e oscilam as esperanças destas pedras rolantes que não deixam de pintar o soalho do Terreiro, à espera de melhor sorte.
Não há pássaros nos beirais nem chuva que caia sobre o plaino abandonado porque anonimamente pisado; ouvem-se as buzinas agitadas dos táxis que transportam os filhos da Terra que se consomem em catadupa, encontram-se os contribuintes que pagam, os aduladores que fazem de conta e benzem as supremas atitudes do “Big Brother”, os Hércules e das Desdémonas inventando confusões babilónicas, o violinista cego que toca as notas da desdita, os adúlteros sem aviso prévio, as crianças dos outros que não têm direito a colher baladas felizes...
Subitamente, sentimos necessidade de olhar para a outra margem, para aquela banda de lá, desconhecida.
Faz-nos falta sentir o ar salgado da maré, ver homens e mulheres ao leme de mil e uma terras, manipuladores das graças e desgraças de um país real à nossa espera, gente de boné de pala, de camisola de malha rota, de cachecol tardio, casos com nomes não apagados dos nossos papéis!
Queremos tocar as gentes, COMUNICAR…
Vamos segurar as rédeas dos cabos do convés da vida experimentada e não simulada.
Os lábios da tarde abrem-se à nossa passagem e sentimo-nos perto dos outros que, por vezes, nem nos vêem…
Trabalho em fato de operário, a bordo de uma nau, no dorso de um navio, na asa de uma aeronave, na assinatura de um acórdão mal dormido, na onda de uma rádio nocturna, nossa única companhia, o que interessa é este sabor a vida vivida, a suor frio e a mãos quentes, a sangue correndo nas veias espásmicas da autenticidade, feito hino ao labor de rostos que marcham vivendo, prevaricando, conflituando, comendo as cinzas e as fagulhas do último Inverno, com que alimentam as bocas mais ou menos esfaimadas dos putos de cara rosada e de maça de adão a despontar numa virilidade imprecisa.
Se é a experiência que nos ensina o alfabeto da existência, uma palavra será dita por este rio a todos aqueles que o violam, sem apelo nem agravo. Se NAVEGAR é preciso, um toque de emoção vinda das profundezas das águas é sempre um ingrediente indispensável ao imprevisto, à loucura saudável e ao inconformismo, à vivência da serena mas tão complexa humanidade de todos nós…
E nesta viagem pelo rio abaixo rumo aos outros, às ondas de uma cantiga ouvida na CENTRAL FM (outrora Rádio Clube de Leiria), iremos ver o sussurro da VIDA gritada às postas e a verdade do que se não se chega a sentir e a dizer, naquele escrever de água que logo se apaga mas que subsiste na gramática dos nossos sentidos, das nossas convicções, dos nossos julgamentos, das nossas frustrações, das nossas solidões, das nossas euforias, das nossas paranóias, dos nossos desvarios…
´”Você vive aqui? No meu prédio? Há três anos? Meu Deus, nunca tinha dado por si!”