18.9.10

A IDADE MAIOR
(os nossos verdes anos)

Ao ritmo imparável do tempo, tomamos consciência de que o calendário está no ano 2010.
Olhando para trás é difícil acreditar que ainda estejamos vivos.

Nós que viajámos em carros sem cinto de segurança ou air bags, que não tínhamos tampas de segurança nos frascos de remédios, que andámos de bicicleta sem capacete e que pedíamos boleia, indiferentes aos perigos dos desconhecidos do norte expresso.

Éramos nós que bebíamos água da torneira e não engarrafada, que saíamos cedo de casa e só ali regressávamos quando o sol se punha sem podermos ser localizados.
Desconhecíamos os meios actuais de controlo, telemóveis implacáveis que nos perseguem como radares.
Nós partíamos os ossos e os dentes e não havia ninguém para se culpar.
Eram apenas acidentes!
Comíamos doces e refrigerantes e não éramos obesos.
Partilhávamos as mesmas garrafas e ninguém morreu por causa disso.
Não tínhamos Nintendo, playstations, canais por cabo, computadores ou internet…

Nós tínhamos amigos.
Sem prazo de validade.
Sem corantes ou conservantes.
Apenas aqueles que nos tocavam na pupila e nos prometiam ternura a granel.
Alguns eram menos inteligentes e, horror dos horrores, repetiam o ano escolar.
Nós tínhamos liberdade, fracassos, sucessos, responsabilidades e aprendíamos a lidar com isso.
Nós sobrevivemos e chegámos a esta bonita IDADE MAIOR.

Daqui para a frente, só quero apanhar os anos bons, quero deixar os maus na despensa dos desperdícios e roubar os anéis de Saturno para enfeitar os cabelos de quem amo.
Daqui para a frente, quero serpentinas e apitos, seda fina e cambraia para cobrir os meus olhos de mulher criança.

Quero novidades do dia anterior, as saudades do futuro que ainda não tenho.
Quero afagar os caracóis da menina que me dá um sorriso de domingo na avenida maior do meu verão, quero defender as cores todas do arco-íris, quero matar o tempo que não me dão, quero o tempo todo que ainda me puderem dar.

E se cheguei aqui hoje foi porque mereci, porque não atropelei ninguém e porque fiz dos moinhos de vento as minhas madeixas de cabelo.

Sou maior. Dizem que vacinada.
Contra a tristeza que me impõem.
Contra os mal-amados.
Contra os invejosos e pedrados de poder.
Vou com as aves, por muitos anos… e bons!


Emília Pinto,
Gala 2010

6 comentários:

César Paulo Salema disse...

Isto quer dizer que não nos vamos mais ver em Fátima?????

Miguel disse...

Quero acreditar que teremos mais "15's de Outubro" nos próximos anos...

alfazema disse...

César
Claro que sim, que nos vamos encontrar em Fátima no dia 15
Este é o texto do livro de honra.
E é com muita honra que vou abrir com o outro texto (o outro nosso)

alfazema disse...

Miguel.........vamos ver
Propostas não faltam mas têm que ser bem pensadas e escritas. ESCRITAS

César Paulo Salema disse...

Que alívio!
Apanhei um susto pois pensava que tinha sido abatida pelos moinhos de vento!
Bj grande

alfazema disse...

Como diria AMÉLIA REY COLAÇO...

as àrvores morrem de pé..!

por muita força que os moinhos tenham......