13.7.10

O meu cabo das tormentas


Dobrei a tristeza
E arrumei-a lá bem no fundo
Mesmo ao lado
Das ilusões. Das desilusões. E das agruras da vida
Meti-as na mala
Para que não me esquecesse
Do mal que me fizeram...
Fui buscar também os sonhos
Que ainda me restavam
E arrumei-os na bolsa de fora
Para estarem mais à mão
No acaso de se virem a realizar
Mera fantasia...
Ainda havia muito espaço
Na minha mala de viagem
Por isso
Também lá meti as saudades
Que me chegaram
Com o vazio deixado
Por alguém muito querido
Só faltava a esperança
Que tinha perdido algures
Entre o sonho e a realidade
Mas que me apareceu de novo
Assim como que por magia...
Quando já não a esperava
Arrumei-a com cuidado
Para que não se amarrotasse
Juntei as promessas todas
E misturei-as com as mentiras
Que me ofereceram um dia
Meti tudo no mesmo saco
Que não meti na mala...
Deitei-o fora!
Sentada na paragem deserta
E enquanto espero pelo autocarro
Que tarda...
Faço contas à vida
Do que já passou
E do resto
Daquele que ainda me falta...
Somo tudo
E já é menos de
metade...

6 comentários:

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Pegue essa mala de tristeza e jogue no rio.

César Paulo Salema disse...

ok

Laiali Safa disse...

oioi, tô seguindo!
Me segue tbm ?

www.laialisafa.blogspot.com
Bjoos!

alfazema disse...

às vezes a tristeza é boa...
:))))))

Paulo Sempre disse...

«Com o vazio deixado
Por alguém muito querido»

É nos vazios deixados que, por vezes, tudo começa de novo...

Agora já não há vazios....pois estou a seguir este blogue.

Paulo

мαясєllα Ϟ disse...

Oi, vim pedir um favor =)
vota na minha entrevista?
http://www.veetminhaprimeiravez.com.br/marcella-giroldo

Quem vota tb ganha um kit veet!
bjos*

www.marcellagiroldo.com